Dialogando com um fascista

*Por Luiz Fernando Leal Padulla

Ainda não tive a oportunidade de ler o livro “Como Conversar com um Fascista”, de Marcia Tiburi. Mas percebo que deve se tornar minha próxima leitura obrigatória. Afinal, não é de hoje que venho sendo vítima de covardes que usam e-mails e as redes sociais para me ofenderem e tentarem me intimidar.

Há anos escrevo como colaborador para o jornal aqui da cidade. E há pouco tempo, criei um blog para expressar livremente minhas opiniões. No entanto, em nossa sociedade, há muitas pessoas que não sabem conviver com opiniões divergentes das suas e são tão intolerantes que se sentem no direito de ofender e xingar, sem que tentem um mínimo de argumento ou simples diálogo.

Um deles foi um sujeito que tentou me difamar com uma postagem em seu Facebook usando minha foto em uma manifestação (conforme retruquei em uma carta aberta: https://biologosocialista.wordpress.com/2016/06/01/carta-aberta-a-quem-tenta-me-ofender/). Este, por sinal, é o mesmo indivíduo que bateu na própria mãe (com registro de B.O.), e hoje paga de santo e frequentador de igreja, na tentativa de iludir novamente cidadãos a votarem nele para o cargo de vereador a que irá concorrer pelo PSDB – apoiado pelo “movimento apartidário” MBL. Suas tentativas de intimidação também vieram através de mensagens que me enviou pela mesma rede social, conforme os prints das abaixo:

meche1
Há coerência em dizer para deixar o “fanatismo partidário de lado” e ser o candidato do PSDB?

meche2

Outro desse naipe é um senhor, dono de uma escola de idiomas na cidade, o qual chamarei de Ricardo, e que desde 2015 destila sua raiva em e-mails. E-mails esses surreais e cômicos, conforme podem verificar abaixo:

email1
Um dos primeiros e-mails que o “cristão honesto” me enviou.

Usando retóricas vazias e dignas de um ser intolerante, se dirige a mim como “comunista de araque”, “petista”, “burro”, “raivoso”, “ignorante”. Ao mesmo tempo, tenta me provocar ainda mais dizendo que minha imagem está “denegrida em Americana por conta do fanatismo petista”. Ainda sugestiona que meus títulos, de anos de estudos e dedicação, sejam falsos.

email3

Mais um que me rotula de petista e não aceita as críticas ao PSDB.

E coroando sua sandice, apela dizendo: “Pare de escrever e dedique-se a vossa profissão e mesmo assim não tente recrutar ninguém para o Estado Islâmico, que é a ala ultra radica do PT. Pense bem no que está fazendo com as crianças”.

Juro que depois que li esse email, chorei….de rir!

email2

“O Estado Islâmico é a ala ultra radical do PT”

Nunca me preocupei em responder a suas acusações e bravatas – afinal, dialogar com quem sempre se acha dono da verdade e não aceita opinião diferente, é perda de tempo. Mas um em especial, não me contive. O cidadão tentando “me informar”, trazia uma matéria da revista…”Veja”. Não consegui me segurar. Usei de memes para responder ao distinto, acompanhando dos seguintes dizeres: “Passar bem…e por favor, se não tiver nada de mais importante para fazer, não me venha com essas “verdades”, pois meu tempo é precioso demais para limpar a lixeira com esse tipo de email”.

Por um tempo achei que havia me livrado deste ser petulante. Mas não. O traste voltou a me procurar, desta vez pelo Facebook. Provavelmente havia lido minha última postagem sobre as críticas que fazia ao abuso de autoridade do presidente interino e golpista, Temer, que mandava deter manifestantes e acabar com as manifestações durante os jogos olímpicos. Além de responder a altura que merecia – afinal, paciência tem limite – mandei um link sobre tal assunto:

dialogoblog5

(No fundo, deve ser algum fetiche que este senhor deve ter por mim. Deus me livre!)

Curioso que ao visitar seu perfil, como todo hipócrita e falso moralista, define-se como um “cristão honesto”! (Seria da mesma igreja do Malafaia? Ou do Feliciano? Aleluia, irmão!)

Enfim, esse tipo de gente está a solta por aí. Destilando seu ódio, sua raiva e tentando desmoralizar aqueles que com suas opiniões fascistas não concorda.

Ninguém é obrigado a concordar com ninguém. Mas como sempre aprendi e defendo, tudo deve ser tratado com respeito. O problema para essa gentalha é que quando lhes faltam argumentos e os fatos lhes são mostrados, derrubando suas falácias até então defendidas, não sabem lidar com as verdades. E o que lhes resta é o que mais sabem fazer: ofender e xingar.

Saibam, no entanto, que tamanha valentia não será suficiente para calar opiniões e pensamentos. Vivemos (pelo menos por enquanto) em uma democracia, onde todos têm o direito ao livre pensamento e defesa de seus ideais.

Sendo assim, Sr. Ricardo, você e sua turma, tem duas opções: ou aceitam os fatos e aprendem a viver com divergências, ou simplesmente não leiam mais meus artigos. Simples, não?

Agora, se realmente não tem mais o que fazer, vá procurar Pokémon, marque uma consulta no proctologista, vá fazer uma caminhada. Há tanta coisa para o senhor fazer, que eu agradeceria se não ficasse mais no meu pé.

Em tempo: uma das melhores ferramentas do Facebook: BLOQUEIO!

*Professor, Biólogo, Doutor em Etologia, Mestre em Ciências

Anúncios

Um comentário sobre “Dialogando com um fascista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s